Mostrar mensagens com a etiqueta leite de côco. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta leite de côco. Mostrar todas as mensagens

29 de agosto de 2017

"Iogurtes" de piña-colada (paleo, AIP)


Há tempos fiz uns "iogurtes" de coco, mas tinha-os feito com leite de coco de compra que é bem mais espesso do que aquele leite que fazemos em casa. 

Desta vez, e como tinha feito leite e farinha de coco, resolvi experimentar fazer a mesma receita mas com o leite vegetal feito em casa.

Como também tinha abacaxi já a querer "tombar", resolvi fazer um dois em um e juntar o abacaxi ao leite de coco.


INGREDIENTES:

3 rodelas grossas de abacaxi
400 g de leite de coco caseiro
2 saquetas de gelatina neutra
50 g de coco ralado


PREPARAÇÃO:

Descasquei as rodelas e retirei a parte do meio. Reservei as cascas e a parte do meio.
Cortei o abacaxi aos pedaços e coloquei no copo da Bimby.


Triturei uns segundos na vel. 4 e programei 30 mins/ vel.1/ temp. 100º.
Retirei e reservei.


Sem lavar o copo, juntei o resto dos ingredientes e programei 20 segs na vel.4.
Distribuí uma colher da compota de abacaxi em cada copo de iogurte e cobri com o preparado do leite e levei ao frio de um dia para o outro.


Para quem não tem Bimby, deita o abacaxi num tachinho ao lume e deixa amolecer e cozer.
Depois tritura com a varinha mágica e reserva.
Leva o leite ao lume para amornar e dissolver a gelatina.
O resto da preparação é igual.



O desperdício do abacaxi, congelei num saco para reutilizar na minha kombucha. 

Como este leite é menos espesso que o de compra, tive que mexer tudo a meio da solidificação para evitar criar camadas e ficar uma mistura mais homogénea. Para mim ficou melhor assim.




Obs. Não usei probióticos aqui porque ainda não os encontrei por aqui que sejam isentos de aditivos e também porque consumo probióticos todos os dias, várias vezes ao dia ao consumir a kombucha.


11 de agosto de 2017

Pescada com leite de coco e lima

Bem, não tenho grandes fotos do prato porque quando o fiz foi mesmo para disfarçar o sabor de uns filetes de pescada que comprei e que eram secos. Nem me lembrei de tirar foto. Mas depois publiquei esta fotinha em alguns grupos como parte do meu pequeno-almoço e algumas pessoas pediram a receita. 


Estando a viver num país sem sol e sem mar, para consumir peixe é preciso recorrer ao peixe congelado porque o fresco, bem...nem sempre é "fresco". Eu até gosto de pescada mas desta vez estes filetes sairam mesmo secos.

Mas como aqui em casa nada se estraga, fiz assim:

INGREDIENTES:

Filetes de pescada
Leite de coco q.b (usei de lata porque queria fazer um molho mais espesso)
Sal
Louro
Azeite
Alho em pó
1 ou 2 limas (depende da quantidade de filetes)
Ervas frescas picadas (usei as do meu pseudo-jardim-de-varanda, salsa e coentros)

PREPARAÇÃO:

Umas 2 horas antes de os cozinhar, temperei-os com sal, alho em pó, louro e o sumo de lima.
Na hora de cozinhar, aqueci uma frigideira anti-aderente com um pouco de azeite no fundo.
Depois de quente juntei os filetes de pescada e baixei o lume.
Deixei cozinhar em lume brando para não criar crosta.
Num recipiente, misturei um pouco de leite de coco com as raspas da lima e as ervas frescas.
Juntei ao peixe e deixei apurar. Conforme ia secando um pouco, ia juntando um pouco mais de leite de coco.
Isto tudo demorou cerca de 15 minutos porque os filetes eram fininhos.
Fácil e rápido!

2 de agosto de 2017

Bolinhos de batata doce e coco

Há dias tinha feito uns bolinhos de batata doce, mas apesar de ter gostado imenso do resultado final, achei que a massa era molenga. Então resolvi mudar a farinha, sempre respeitando o protocolo paleo auto-imune. E ficaram muito bons, ligeiramente mais consistentes e mais semelhantes a biscoitos "normais"

A receita é praticamente a mesma que a anterior, com a alteração da farinha...aqui usei de coco.

INGREDIENTES:

250 g de batata doce cozida (usei da laranja)
50 g de farinha de coco
Raspa de meio limão
1 colher de café de canela de Ceilão
1 colher de sopa de óleo de coco 
1 colher de café de bicarbonato de sódio



PREPARAÇÃO:

Usei a Bimby.
Coloquei todos os ingredientes na Bimby e programei 30 segs / vel. 5.
A massa fica bastante molinha.

Para quem não tem Bimby, pode usar outro processAqui só é preciso reduzir a batata em puré, o resto, é só misturar.
O importante é que consigam misturar os ingredientes todos até fazer uma massa homogénea.


Liguei o forno a 200º.
Fiz pequenas bolas e coloquei-as num tabuleiro forrado com papel vegetal.




No tabuleiro, ao colocar as bolas, espalmei-as ligeiramente com a palma da mão.
Coloquei-as no forno durante cerca de 30 minutos.


Rendeu 18 bolinhos. A ideia é mesmo fazê-los pequenos para aqueles dias de "apetites".
E ficaram muito fofinhos.






Cumprir o protocolo não tem de ser enfadonho nem monótono. 
Como em tudo, é preciso querer!

28 de julho de 2017

"Iogurte" de coco

Coloquei iogurte entre aspas porque para mim, iogurte tem de ser fermentado e este não foi. É mais uma sobremesa, mas pela textura e sabor, passa bem por iogurte.

Quem reside em Portugal, não tem noção que fora do país, não há a mesma oferta de produtos e é preciso inovar bastante. Aqui não encontro iogurtes vegetais de compra, a não ser de soja e isso está fora de questão.



Claro que é muito fácil de fazer. Desta vez usei só leite de coco de compra, mas da próxima vez faço com leite de coco caseiro, mas não tenho encontrado coco para fazer.

INGREDIENTES:

2 latas de leite de coco (usei da ALNATURA) de 400 ml
1 saqueta de gelatina em pó neutra (6g) também podem usar agár-agár mas eu não gosto do sabor
Para mim não foi necessário, mas quem gostar deles doces, pode adicionar um pouco de açúcar de coco ou mel

PREPARAÇÃO:

Usei a Bimby.
Deitei o conteúdo das duas latas de leite no copo da Bimby e programei 4 mins/ vel.3/ temp. 50º.
Quando faltavam 30 segundos para acabar o tempo, adicionei a gelatina pelo bocal, sem deixar de mexer.
Dispus o conteúdo em copos de iogurte e levei ao frio de um dia para o outro.




Para quem não tem Bimby, pode levar o leite de coco ao lume, tendo o cuidado para não deixar levantar fervura.

No dia seguinte, tinham esta textura.



Escusado será dizer que me regalei ao pequeno-almoço!

Adicionei amoras silvestres que tinha apanhado durante uma caminhada e por cima coloquei um pouco da compota que tinha feito com as mesmas. A compota era de amoras mas a receita foi esta, porque dá para todas as frutas.






13 de julho de 2017

Pão de banana verde

Já andava desolada porque nenhum pão apropriado para consumir em protocolo me corria bem, e já
perdi a conta à quantidade de farinhas que deitei fora. Por outro lado, as receitas que encontro (maioritariamente estrangeiras) nunca me correm bem, mas esta andava de lado precisamente por causa dos ingredientes. Mas há dias encontrei a banana verde e o cremor de tártaro, e já não havia desculpas. E mesmo com as piadinhas da filha que tem acompanhado os fracassos consecutivos em fazer pão, ficou surpreendida pelos resultados.

Então é assim:

INGREDIENTES:

1 banana verde (plantain) (depois de descascada e cortada dá cerca de 3/4 de chávena)


1, 5 chávena de polvilho doce
2 colheres de sopa de farinha de coco
1/2 colher de café de bicarbonato de sódio
1/2 colher de café de levedura de cremor de tártaro


1/2 colher de café de sal marinho
1 chávena de leite de coco (usei caseiro - receita aqui)
2 colheres de sopa de azeite
Opção - juntar alho triturado a gosto (não o fiz)

PREPARAÇÃO:

Liguei o forno a 200º.
Descasquei a banana com uma faca afiada. É preciso cortar de um lado e do outro e retirar a casca. 
Cortei aos pedaços e coloquei na Bimby, juntamente com o azeite e o leite de coco, vel. 5/ 1 min.
Numa tigela, juntei as farinhas, o bicarbonato, o sal e o cremor de tártaro para as misturar bem.
Com a Bimby em movimento na vel. 3, adicionei a mistura das farinhas pelo bocal até ficar uma massa homogénea.
Na receita original indica para o caso da massa ficar muito líquida, juntar um pouco de polvilho. Se a massa ficar mito seca, juntar um pouco de leite de coco. Eu tive q juntar mais leite, daí ter já adicionado a quantidade real de leite de coco nos ingredientes.
A massa deve ter a consistência para moldar pequenas bolas. A receita menciona que dá para 8 e confirmo.



Coloquei as bolinhas num tabuleiro coberto com papel vegetal e levei ao forno cerca de 20 minutos, até a parte exterior estar ligeiramente dourada.
Retirei do forno assim que ficou pronto e deixei arrefecer.


Só abri depois de completamente frios (e estava em ânsias).






Eu gostei bastante do sabor e da próxima vez vou mesmo colocar ervas secas ou alho.
Comi 3 bolinhas o que me valeu saltar o jantar e só voltar a comer ao pequeno-almoço do dia seguinte 😆
Espero que gostem, eu adorei e de certeza que vou voltar a repetir!

24 de julho de 2017

Hoje ficaram assim:





16 de junho de 2017

Bacalhau à brás, versão AIP


É das comidas das quais sinto mais saudades, pois desde pequena sempre foi uma das minhas favoritas. Enquanto paleo, ainda cheguei a fazer com mandioca ou batata doce, mas agora a cumprir o protocolo, ficava difícil substituir o ovo de forma a manter a mesma textura cremosa.


Mas nada é impossível quando se tem vontade para.

Mais uma vez é bem fácil de fazer e rápido.

INGREDIENTES:

Bacalhau cozido e desfiado
1 cebola grande
Azeite q.b.
2 dentes de alho
1 folha de louro
Mandioca descascada e cortada aos palitos
Leite de coco
Curcuma em pó a gosto

PREPARAÇÃO:

Descasca-se e corta-se a cebola às rodelas.
Deita-se a cebola num tacho anti-aderente e vai a lume com um fio de azeite, o alho picado e as folhas de louro.
Quando a cebola estiver loirinha, junta-se o bacalhau e vai-se mexendo.

Entretanto, numa frigideira anti-aderente e com um fio de azeite no fundo, frita-se a mandioca aos palitos. Tem de ser em lume baixo, senão queima por fora e fica crua por dentro.
Depois da mandioca frita, junta-se ao preparado com o bacalhau e a cebola e mexe-se de forma a ficar tudo uniforme.
À parte, numa taça mistura-se um pouco de leite de coco (hoje usei de compra para ser mais espesso) com curcuma em pó.
Depois de bem misturado, junta-se ao preparado anterior e mexe-se com cuidado para envolver tudo.

Observação -  Não coloquei quantidades porque fiz só para mim para uma refeição e não pesi nem medi nada. Eu (sou suspeita, eu sei) adorei! 😆

12 de abril de 2017

Semi-frio de framboesa

Gosto muito de fruta e de sobremesas com fruta e como estou numa fase em que não posso consumir bolos ou farinhas, esta parece ser uma boa solução....para mim, claro :) ...e tinha coulis para gastar!

INGREDIENTES:

200 ml de leite de côco caseiro (receita aqui)
50 g de coulis de framboesas (também pode usar framboesas frescas) e juntei também uns mirtilos
3 folhas de menta fresca
1 colher de sopa de agár-agár (ou gelatina neutra em pó)
Açúcar de côco ou mel q.b. para adoçar se necessário (eu não usei)

PREPARAÇÃO:

Num tachinho, leva-se o leite de côco ao lume.
Quando estiver quente (sem ferver) junta-se o agár-agár (ou a gelatina em pó) e mexe-se bem para dissolver.
Assim que começa a querer ferver, desliga-se e junta-se o coulis (ou a fruta fresca) e as folhas de menta e tritura-se com a varinha.
Coloca-se a mistura em formas de silicone e leva-se ao frio.
Depois de bem frio e sólido, desenforma-se e decora-se a gosto.
Eu decorei com nata de côco e frutos vermelhos.

:)

9 de abril de 2017

Pudinzinhos

Foto 1
Já tinha estas formas em casa há tanto tempo, e tinha mesmo receio que se estragassem ahahaha
E fiz estes mini-pudins. Rápidos e fáceis de fazer, como já é apanágio cá por casa.

Fiz assim...

INGREDIENTES:

250 ml de leite de côco caseiro (receita aqui)
3 ovos
5 tâmaras (para mim ficou suficientemente doce, mas podem ajustar)
Canela a gosto
Amêndoa laminada.


PREPARAÇÃO:

Foto 2



Liga-se o forno a 200º.


Juntar as tâmaras e o leite e tritura-se tudo.

Eu fiz na Bimby mas podem usar a varinha da sopa.

Juntam-se os ovos, a canela e a amêndoa laminada.

Coloca-se a mistura em formas de pudim que vão ao forno em banho-maria (foto 2)

No meu forno (nestas coisas uso o pequeno) precisei de cerca de 25 mins, mas convém fazer o teste do palito.

Retiram-se do forno e desenformam-se depois de frios.




Obs. Este prato é o pires das chávenas de café. Quando digo que são pudins mini, é porque são MESMO minis :)
Foto 3

6 de abril de 2017

Gelado de chocolate


Queria mesmo experimentar estas forminhas...
sim, sou pior que as crianças!
E fiz estes gelados em formas mini.

INGREDIENTES:

100 ml  de leite de côco
2 quadrados de chocolate com 85% de cacau
1 pitada de gengibre em pó (opcional)

PREPARAÇÃO:

Derreter o chocolate com o leite e o gengibre até ficar uma mistura homogénea.
Colocar a mistura nas formas de silicone e levar ao congelador.

Obs. Esta quantidade deu para 3 formas destas, e não há necessidade de mais ;)

27 de março de 2017

Mousse de frutos do bosque

Há dias tive um percalço com o congelador e as frutas descongelaram. Para as aproveitar, fiz um coulis só com fruta e sem açúcar. Como tinha também acabado de fazer leite de côco (receita aqui), juntei os dois e fiz uma mousse bem simples e saborosa.

INGREDIENTES:

250 ml de leite de côco
3 cs de coulis de frutos do bosque (sem açúcar)
1 c chá de agar-agar (pode ser de gelatina em pó neutra)

PREPARAÇÃO:

Aquecer um pouco de leite e dissolver o agar-agar.
Juntar o restante leite e o coulis.
Mexer bem até ficar uma mistura homogénea.
Levar ao frio em tacinhas até solidificar.
Decorei com caju picado.

Bom apetite!

20 de março de 2017

Como fazer leite e farinha de côco em casa

Foto 1
Para quem deixa de consumir farinhas de cereais e leite animal, depara-se com um aumento de consumo  de leite vegetal e de farinhas alternativas. Artigos estes nem sempre acessíveis a toda a gente. Mas fazendo em casa, o preço torna-se perfeitamente suportável e com a vantagem de sabermos o que estamos a consumir.
Muitas vezes preciso de farinha de côco e aproveito e faço o leite, ou vice-versa. O leite, e porque mesmo no frio tem uma durabilidade muito curta, congelo-o em saquinhos, em couvettes de gelo ou em forminhas de silicone. Quando preciso do leite, já está pronto a usar em "unidoses". Assim com os mesmos ingredientes, tenho leite de côco e farinha totalmente sem aditivos.

Depois de ver várias receitas pela net, e porque somo sempre, impera a lei-do-menor-esforço, faço da forma como vou descrever. Saliento que tentei fazer com côco fresco, mas ou eu não os sei escolher, ou tenho azar, as 3 vezes que os comprei, das 3 vezes os côcos estavam deteriorados. Então passei a fazer com côco ralado de pacote. É no entanto muito importante verificar os ingredientes. Só deve ter côco. Se tiver extras adicionados, não serve. O objectivo é manter uma alimentação limpa e sem aditivos, certo?

Então vamos a isto...

INGREDIENTES:

300g de côco ralado sem aditivos
1 l de água

PREPARAÇÃO:

No processador, colocar o côco ralado e a água. Programar 8 mins/ vel.1/ temp. 100º. Passado esse tempo, a consistência fica como na foto 2.

Foto 2
Entretanto, prepara-se um passador com um pano para coar e um recipiente para receber o líquido coado. Deita-se a mistura sobre o passador com o pano e deixa-se coar. Quando arrefecer um pouco, de forma a que se 
consiga aguentar o calor nas mãos, agarra-se no pano com a mistura lá 
dentro e aperta-se para que o leite escorra. Convém torcer o mais possível 
para eliminar todo o leite. A consistência depois de espremida, deve ficar 
como na foto 3.

Foto 3
Entretanto, e dependendo das minhas necessidades, separo o leite numa parte que coloco no frio para consumir nos dias seguintes e o restante, congelo. Desta vez congelei assim, directo dentro do saco. Depois de congelado, é só desenformar. (foto 4)

Foto 4

Agora vamos à farinha. Ligamos o forno a 150º e colocamos o côco num tabuleiro bem espalhado (foto 5) e levamos ao forno cerca de 1 hora, tendo o cuidado de ir mexendo e verificando se não queima. O objectivo é secá-lo para lhe retirar toda a gordura.

Foto 5
Depois de bem seco, levamos o côco novamente ao processador, que deve estar limpo e bem seco, para triturar até ficar farinha (foto 6).

Foto 6
Eu deixo arrefecer primeiro no tabuleiro e só depois o coloco num frasco de vidro.

PREPARAÇÃO SEM PROCESSADOR:

Coloca-se o côco com a água ao lume numa panela e deixa-se levantar fervura.
Coloca-se a varinha mágica e tritura-se bem até o côco estar bem reduzido.
O resto do processo é igual ao que está mencionado em cima.

Observação: Não fica um leite com a mesma consistência como o de compra mas cá em casa, é o que se gasta. Espero que gostem :)