Mostrar mensagens com a etiqueta Polvilho doce. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta Polvilho doce. Mostrar todas as mensagens

13 de julho de 2017

Pão de banana verde

Já andava desolada porque nenhum pão apropriado para consumir em protocolo me corria bem, e já
perdi a conta à quantidade de farinhas que deitei fora. Por outro lado, as receitas que encontro (maioritariamente estrangeiras) nunca me correm bem, mas esta andava de lado precisamente por causa dos ingredientes. Mas há dias encontrei a banana verde e o cremor de tártaro, e já não havia desculpas. E mesmo com as piadinhas da filha que tem acompanhado os fracassos consecutivos em fazer pão, ficou surpreendida pelos resultados.

Então é assim:

INGREDIENTES:

1 banana verde (plantain) (depois de descascada e cortada dá cerca de 3/4 de chávena)


1, 5 chávena de polvilho doce
2 colheres de sopa de farinha de coco
1/2 colher de café de bicarbonato de sódio
1/2 colher de café de levedura de cremor de tártaro


1/2 colher de café de sal marinho
1 chávena de leite de coco (usei caseiro - receita aqui)
2 colheres de sopa de azeite
Opção - juntar alho triturado a gosto (não o fiz)

PREPARAÇÃO:

Liguei o forno a 200º.
Descasquei a banana com uma faca afiada. É preciso cortar de um lado e do outro e retirar a casca. 
Cortei aos pedaços e coloquei na Bimby, juntamente com o azeite e o leite de coco, vel. 5/ 1 min.
Numa tigela, juntei as farinhas, o bicarbonato, o sal e o cremor de tártaro para as misturar bem.
Com a Bimby em movimento na vel. 3, adicionei a mistura das farinhas pelo bocal até ficar uma massa homogénea.
Na receita original indica para o caso da massa ficar muito líquida, juntar um pouco de polvilho. Se a massa ficar mito seca, juntar um pouco de leite de coco. Eu tive q juntar mais leite, daí ter já adicionado a quantidade real de leite de coco nos ingredientes.
A massa deve ter a consistência para moldar pequenas bolas. A receita menciona que dá para 8 e confirmo.



Coloquei as bolinhas num tabuleiro coberto com papel vegetal e levei ao forno cerca de 20 minutos, até a parte exterior estar ligeiramente dourada.
Retirei do forno assim que ficou pronto e deixei arrefecer.


Só abri depois de completamente frios (e estava em ânsias).






Eu gostei bastante do sabor e da próxima vez vou mesmo colocar ervas secas ou alho.
Comi 3 bolinhas o que me valeu saltar o jantar e só voltar a comer ao pequeno-almoço do dia seguinte 😆
Espero que gostem, eu adorei e de certeza que vou voltar a repetir!

28 de junho de 2017

Wraps AIP, Paleo

Ando sempre a pensar em como aliar os apetites que tenho e a alimentação que faço. Se há coisa que detesto, é rotinas seja onde for, mas na cozinha então odeio...


A filha hoje pediu wraps. Fiz-lhe a vontade, mas eu não podia comer a mesma massa. Ora se me apetecia também um wrap, eu tinha que os fazer. E assim foi. Peguei na receita que tinha das crakers, e adaptei-a de modo a que ficassem minimamente moldáveis depois de frios. E saiu isto:

INGREDIENTES:

100 g de polvilho doce
120 g de farinha de mandioca
1 colher de chá de flor de sal
60 g de azeite extra-virgem
220 g de água quente
Temperos a gosto (usei só sal e alho em pó)

PREPARAÇÃO:

Colocar as farinhas e os temperos no copo da Bimby e programar 5 segs/ vel.4.
Juntar o azeite e a água quente e programar 2 min/ vel. espiga.


Depois de pronta, estica-se a massa com o rolo da massa, sobre um tapete de silicone com marcas (eu precisei disto para me orientar a esticar a massa em forma de círculo).


Esticar bem a massa e recortar as pontas com um cortador de forma a deixar um circulo apresentável.
Deu para 4 wraps.
Colocar uma frigideira larga anti-aderente ao lume.
Quando a frigideira estiver quente, colocar a massa a cozinhar, sem gordura.
Deixar cozinhar dos 2 lados.



Conforme os vamos cozinhando, convém tapar com uma folha de alumínio, para que não sequem.



Depois de prontos, rechear a gosto. Eu recheei com o que tinha (canónigos, azeitonas, carne bolonhesa, pepino) e enrolei em forma de wrap.


Os restantes, separei com papel vegetal, meti-os num saco de congelação e congelei para uso futuro.


Espero que gostem!

12 de junho de 2017

Empadas Paleo, AIP


Desde que fiz os rissóis (veja aqui), que fiquei a pensar em empadas. Antes da minha vida paleo, não era nada de salgados, era muito mais de doces (e ainda sou, mas num dá, num dá). Mas agora, e para fugir ao tradicional prato com carne e legumes ou peixe e legumes, de vez em quando apetece outra coisa...e outra coisa pode bem ser uma empadinha!


Assim, a receita é a mesma dos rissóis é assim:

INGREDIENTES PARA A MASSA:

250 g de batata doce cozida (eu costumo cozer no microondas, enrolada em papel de cozinha durante cerca de 5 mins, mas como estas eram grandes, programei 7 mins)
30 g de azeite extra-virgem
50 g de polvilho doce
130 g de farinha de mandioca
1 c. café de Flor de sal
Temperos a gosto (usei alho em pó e orégãos)

PREPARAÇÃO DA MASSA:

Descascar a batata cozida e colocá-la no copo da Bimby.
Juntar os restantes ingredientes, deixando um pouco da farinha de mandioca de parte e triturar 20 segs/ vel 5. Dependendo da qualidade da batata, pode não ser necessária a quantidade da farinha indicada.
Rectificar os temperos e a consistência.
Tem de ficar uma massa espessa que suporte a manipulação com o rolo da massa.
Se estiver muito mole, basta ir juntando mais farinha de mandioca.


Fiz na Bimby mas também se faz bem noutro processador ou trituradora.



INGREDIENTES DO RECHEIO:

Aproveitamento de carne já cozinhada (tinha cerca de 150 g entre frango e vaca)
1 cebola média
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite extra-virgem
Sal
1 dente de alho
200 g de molho tipo béchamel aprovado em AIP (receita aqui)

PREPARAÇÃO DO RECHEIO:

Picar a carne e reservar.
Descascar e picar a cebola e a cenoura.
Juntar o azeite e deixar refogar um pouco.
Na Bimby triturei 5 segs / vel.5 e deixei cozinhar 5 mins /vel. 1 / temp. 100º.
No tacho o processo é o mesmo.
Depois de refogado, juntar a carne e deixar cozinhar um pouco.
Juntar o molho e envolver com cuidado.




MONTAGEM DAS EMPADAS:

Untar umas formas de empadas com azeite.
Se a massa estiver com a consistência adequada para o rolo, retiram-se pequenas quantidades de massa (pouco maior do que uma noz) e distribuem-se equitativamente pelas forminhas, calcando-as com os dedos para ficar bem fina.



Mais uma vez lembro que a massa não tem elasticidade, mas manipula-se muito bem.

Com a ajuda de uma colher, distribui-se um pouco de recheio em cada empada. 
(Aqui foi a filha que ajudou)



Esta quantidade de massa deu para 12 unidades nas minhas formas.
Guardei um pouco da massa para fazer as "tampinhas" das empadas.
Com a ajuda do rolo da massa, e numa folha de papel vegetal, estiquei a massa e recortei com um copo de vidro.


Tapei-as todas com cuidado nas pontas, de forma a que a massa ficasse bem agarrada.


Entretanto liguei o forno a 180º e depois de bem quente, coloquei as empadas e deixei-as cerca de 20 minutos.
Retirei e pincelei com azeite por cima e nas pontas para unir algumas que tenham ficado mais arrebitadas.

Deixei arrefecer bem, com uma faca pontiaguda, soltei as beiras das formas e virei-as sobre uma rede.
Saíram direitinhas.




Cozinhei-as todas, porque tal como aconteceu com os rissóis, congelei os excedentes para dias em que não tinha nada preparado e ficaram muito bons na mesma.

São servidos?



OBS. Apesar da filha não seguir AIP e muito menos paleo, foi ela que quis fazer a receita toda para me ajudar e calhou tudo bem à primeira sem ser necessário rectificar temperos.

5 de junho de 2017

Crakers de espinafre e coentros




Depois da primeira experiência perfeitamente conseguida (aqui), que fiquei com vontade de brincar com os ingredientes. E é mais uma forma de se comer verduras sem nos darmos conta.


Assim usei a mesma receita base, com apenas alguns ajustes.

Vão precisar dos seguintes INGREDIENTES:

50 g de folhas de espinafre lavadas e secas
5 pés de coentros frescos
100 g de polvilho doce
120 g de farinha de mandioca
1 colher de chá de flor de sal
50g de azeite extra-virgem
200g de água quente
Ervas aromáticas a gosto (aqui usei só alho e cebola desidratados porque já tinha o sabor das verduras frescas)

PREPARAÇÃO:

Colocar os espinafres, os coentros, o azeite e o sal no copo da Bimby e picar 5 segs/ vel.4.
Juntar as farinhas e programar 15 segs/ vel.4.
Juntar a água quente e programar 2 min/ vel. espiga.
A massa fica com este aspecto espesso.


Depois de pronta, estica-se a massa com o rolo da massa, entre duas folhas de papel vegetal para a massa esticar bem.





Quanto mais fina ficar, mais estaladiças ficam.
Depois de bem esticada, recorta-se com a forma desejada.
Vão ao forno pré-aquecido a 180º por cerca de 15 mins, mas depende muito do forno.
Ao fim dos 15 mins, verifique se estão estaladiças.
Se não estiverem, deixe mais uns minutos.

AVISO: São absolutamente viciantes!

25 de maio de 2017

Rissóis Paleo, Auto-imune

Andava já a matutar nisto há dias quando estava a fazer outra receita. E não descansei enquanto não experimentei. E não é que deu certo à primeira?

Claro que se estão à espera de ter uma massa elástica como a original, esqueçam. Não leva ovo, nem manteiga, não há milagres. Mas mesmo assim correu muito bem e com boa vontade, chega-se lá!

Vão precisar de ...

INGREDIENTES PARA A MASSA:

250 g de batata doce cozida (eu costumo cozer no microondas, enrolada em papel de cozinha durante cerca de 5 mins, mas como estas eram grandes, programei 7 mins)
30 g de azeite extra-virgem
50 g de polvilho doce
130 g de farinha de mandioca
1 c. café de Flor de sal
Temperos a gosto (usei alho em pó e orégãos)

PREPARAÇÃO DA MASSA:

Descascar a batata cozida e colocá-la no copo da Bimby.
Juntar os restantes ingredientes, deixando um pouco da farinha de mandioca de parte e triturar 20 segs/ vel 5.
Dependendo da qualidade da batata, pode não ser necessária a quantidade da farinha indicada.
Rectificar os temperos e a consistência.
Tem de ficar uma massa espessa que suporte a manipulação com o rolo da massa.
Se estiver muito mole, basta ir juntando mais farinha de mandioca.

Fiz na Bimby mas também se faz bem noutro processador ou trituradora.





















INGREDIENTES DO RECHEIO:

Aproveitamento de carne já cozinhada (tinha cerca de 150 g)
1 cebola média
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite extra-virgem
Sal
1 dente de alho

PREPARAÇÃO DO RECHEIO:

Picar a carne e reservar.
Descascar e picar a cebola e a cenoura.
Juntar o azeite e deixar refogar um pouco.
Na Bimby triturei 5 segs / vel.5 e deixei cozinhar 5 mins /vel. 1 / temp. 100º.
No tacho o processo é o mesmo.
Depois de refogado, juntar a carne e deixar cozinhar um pouco.



MONTAGEM DOS RISSÓIS:

Se a massa estiver com a consistência adequada para o rolo, retiram-se pequenas quantidades de massa e estica-se sobre uma folha de papel vegetal para que ela deslize e estique sem quebrar.
Mais uma vez lembro que a massa não tem elasticidade, mas manipula-se muito bem.
Coloca-se um montinho de carne e dobra-se ao meio, cobre-se com a massa e recorta-se.
Repete-se o processo até acabar a massa.
Esta quantidade de massa deu para 12 unidades.



Para os cozinhar de imediato, liga-se o forno a 180º.


Quando estiver quente, vão ao forno cerca de 20 minutos num tabuleiro forrado com papel vegetal (no meu foi suficiente porque usei o forno pequeno que aquece mais rápido, mas estão bons quando a massa começar a dourar ligeiramente.)

Depois de cozinhados e ainda quentes, pincelam-se com azeite para dar um pouco de brilho.
E ficam assim...


A massa ficou com uma boa consistência, como podem ver pela foto.



Espero que gostem.
Bom apetite!



22 de maio de 2017

Crakers Paleo e AIP

Andava mesmo com vontade de comer uma coisinha destas, mas desde que estou no protocolo que as experiências com farinhas (com as poucas permitidas) não têm corrido nada bem...e já tinha desistido. Até que uma amiga fez estas e como vi que era tudo "permitido", tratei de as fazer. E não é que são deliciosas? E correspondem tal e qual às expectativas. Deliciosas e estaladiças como convém.

A receita anda a circular pelos grupos e fiz assim:

INGREDIENTES:

85g de polvilho doce
120g de farinha de mandioca
1 colher de chá de flor de sal
50g de azeite extra-virgem
200g de água quente
Ervas aromáticas a gosto (eu usei, salsa e coentros frescos e orégãos secos, alho e cebola desidratados)

PREPARAÇÃO:

Colocar as ervas e o sal no copo da Bimby e picar 5 segs/ vel.4.
Juntar as farinhas e programar 15 segs/ vel.4.
Juntar a água quente e o azeite e programar 2 min/ vel. espiga.
Depois de pronta, estica-se a massa com o rolo da massa, entre duas folhas de papel vegetal para a massa esticar bem.
Quanto mais fina ficar, mais estaladiças ficam.
Depois de bem esticada, recorta-se com a forma desejada.
Vão ao forno pré-aquecido a 180º por cerca de 15 mins, mas depende muito do forno. Ao fim dos 15 mins, verifique se estão estaladiças. Se não estiverem, deixe mais uns minutos.

3 de maio de 2017

"Queijo" vegano

Não consumo lacticínios mas não significa que não sinta vontade de comer queijo :D

Anda a circular uma receita pela net que me pareceu muito bem e não podia perder muito tempo para a fazer. E o melhor de tudo é que tinha todos os ingredientes em casa para o poder fazer. Então esperar para quê? 

Mas vamos lá ao que interessa...


INGREDIENTES:

1 chávena de polvilho doce
1 chávena de polvilho azedo
1 c.chá de fermento biológico
Sal rosa
Orégãos a gosto
3 cs de azeite extra.virgem
200g de mandioca em puré
Sumo de 1/2 limão
Água q.b. (ao todo precisei de cerca de meia chávena)


PREPARAÇÃO:

Numa caçarola, colocar a mandioca a cozer.
Entretanto, numa taça, colocar os polvilhos, o fermento, o sal e os orégãos.
Misturar tudo muito bem.
Quando a mandioca estiver cozida, juntar aos ingredientes secos.
Aqui começa a dificuldade. Nunca tinha reduzido mandioca a puré e não fazia ideia que ficava uma massa elástica.
Custou um pouco juntar aos ingredientes secos e nesta fase, vai-se juntando aos poucos a água e amassando.
Vai-se juntando água (uns salpicos de cada vez) até a massa ficar homogénea mas elástica, como na foto do lado.
Esqueci-me de tirar fotos durante o processo, mas no fim deixo o link para a receita original e lá tem o vídeo descritivo.
Por fim, untar uma taça com azeite, tapar com película aderente e levar ao frio durante cerca de 2 horas (eu deixei cerca de 6).


Passado o tempo, retira-se do frio (o meu ficou como na foto do lado) e desenforma-se.
E está pronto a consumir :D





























De sabor está aprovado. E serve perfeitamente para colmatar os "desejos" de queijo.

Receita original: aqui

17 de março de 2017

Bife de peru panado com "arroz" de grelos fingido

Adoro arroz de grelos e já há muito tempo que não comia. E hoje foi o dia. Não é bem "arroz", mas anda  lá perto. E arroz de grelos pede panados, e hoje também houve direito.
Uma das minhas combinações preferidas em versão paleo.
Aqui vai a receita.


INGREDIENTES PARA OS PANADOS:

Bifes de peru
Flor de sal
Alho
Limão

Polvilho doce
2 ovos
Farinha de mandioca

PREPARAÇÃO:

Temperar os bifes uma ou duas horas antes de as confeccionar.
Em 3 pratos fundos diferentes, colocar num o polvilho, noutro a farinha de mandioca e noutro ainda, os ovos batidos com umas pedras de sal.
Entretanto aqueça uma frigideira anti-aderente com um pouco de azeite no fundo. Com um garfo, passe os bifes pela seguinte ordem: polvilho doce, ovo e por fim a farinha de mandioca. deixe fritar de um lado e do outro e retire.

INGREDIENTES PARA O "ARROZ" DE GRELOS:

Couve-flor (usei congelada e cerca de 150g)
Grelos cozidos (usei um resto que tinha sobrado do almoço)
Polpa de tomate (sem aditivos)
Cebola
Caldo de legumes caseiro
Cebola
Alho
Azeite

PREPARAÇÃO:

Picar a couve (eu usei a Bimby). Entretanto colocar ao lume uma anti-aderente com um fio de azeite, cebola e alho picado. Quando alourar, deitar a couve-flor ralada e a polpa de tomate. Quando estiver a secar, deitar 1 ou 2 cubos de caldo de legumes caseiro (que eu ainda tinha congelado). Rectificar os temperos e baixar o lume e deixar cozinhar lentamente.

Espero que gostem!