20 de junho de 2017

Gelatina de morango

Dias de calor pedem coisinhas frescas! Hoje saiu uma gelatina de morango. E nada mais fácil de fazer...

INGREDIENTES:

200 g de morangos
150 g de água
1 saqueta de gelatina neutra em pó
4 folhas de menta

PREPARAÇÃO:

Lavar e cortar os morangos.
Da água necessária, retira-se um pouco e aquece-se para derreter a gelatina em pó.
Depois da gelatina desfeita, junta-se o resto da água.
Num copo misturador, coloca-se a água, os morangos, a gelatina e as folhas de menta e tritura-se tudo até ficar uma mistura homogénea.
Eu coloquei tudo na Bimby e programei 30 segs /vel.5.
Verti a mistura para umas tacinhas e levei ao frio.


Eu cá sou suspeita, mas achei mesmo bom 😏





19 de junho de 2017

Caldo de ossos (bone broth)

Confesso que, até ter enveredado pelo protocolo auto-imune, nunca me tinha debruçado bem sobre as propriedades e indicações do caldo de ossos (bone broth em inglês). Sopa de carne com legumes vários, já tinha feito (sobretudo no tempo frio), mas era mesmo com carninha. Só de ossos, já tinha ouvido falar, mas achava que era qualquer coisa típica de outras culturas...só que não!

Desde que aderi ao protocolo, e ainda mais agora depois de me ter sido diagnosticada mais uma auto-imune, tenho-me concentrado bastante neste tipo de alimentação, pois reconheço que dela depende a remissão e estabilização dos meus sintomas e por arrasto, a minha qualidade de vida.

Mas antes de deixar a receita, deixo as indicações e benefícios do caldo de ossos e de que forma interage beneficamente no nosso organismo:

- O caldo de ossos é um suplemento altamente nutritivo,  rico em magnésio, cálcio e fósforo.
- Rico em aminoácidos glicina e prolina, que não estão tão presentes na carne. Contém mais de  19 aminoácidos de fácil absorção que são importantes para pessoas com doença auto-imune que têm dificuldade em digerir e / ou assimilar proteínas e, consequentemente, sofrem de uma deficiência protéica.
- Rico em colagénio, uma proteína estrutural principal necessária para o tecido conjuntivo saudável. O corpo requer colagénio para uma melhor articulação, pele e intestino, três locais onde o colagénio é mais abundante.
- O caldo de osso também contém gelatina, que é uma proteína altamente eficaz na cura do intestino e, portanto, acalma o sistema imunológico.
- É rico em minerais necessários para saúde ideal, magnésio, potássio, fósforo e algum cálcio.
- O caldo de osso é uma fonte rica de glucosamina e condroitina, que são conhecidos por ajudar a manter as articulações saudáveis (importante para quem sofre com artrite reumatóide).
- A glicina, um dos aminoácidos mais importantes, também está presente no caldo de ossos. A glicina é necessária para gerar glutationa, o principal antioxidante do corpo que muitas vezes é deficiente naqueles com doença auto-imune. A glicina também é necessária para a regulação adequada do açúcar no sangue, digestão e crescimento e regeneração muscular.
- O caldo de osso também contém arginina, outro aminoácido importante. A arginina ajuda a manter a função renal adequada (importante para quem sofre de lúpus), cicatrização de feridas e saúde cardíaca.
- É uma fonte rica de l-glutamina, outro aminoácido deficiente em pessoas com doenças auto-imunes. A L-glutamina é necessária para a saúde intestinal, para prevenir e curar problemas relacionados com a digestão e intestino permeável, situação frequente em doentes com lúpus e outras condições auto-imunes.

Por ser um alimento nutricionalmente tão rico, é muito recomendado em situações de auto-imunidade, pelas seguintes razões:
- Repõe deficiências ao nivel dos nutrientes.
- Regenera e cura situações de intestino permeável.
- Diminui a resposta inflamatória do organismo e reforça o sistema imunitário.
- Ajuda na desintoxicação hepática.
- Melhora de forma significativa a lubrificação articular.
- Melhora a qualidade do sono.




Bom e depois disto tudo, vamos ao cerne da questão...a receita:

INGREDIENTES:

1 kg de ossos de qualquer animal, ou osso com carne, eu comprei osso buco com uma grande parte de tutano (aqui é essencial que seja de carne de qualidade, bio e de preferência de criação extensiva)
3 litros de água
Sal a gosto
Alho
Cebola
Salsa e coentros
Cenoura
Alho francês

PREPARAÇÃO:

Se os ossos forem de carne já cozinhada, pode saltar este passo.
Caso contrário, gosto de assar primeiro a carne no forno, cerca de 1h para que fique com sabor mais apurado.
Depois de assada, coloca-se a carne na panela (ou na panela de pressão, mas eu não tenho), juntamente com a água e os legumes cortados.

Deixe levantar fervura, retirando as gorduras mais escuras à superfície da água e quando vir que já não sai mais, baixa o lume e deixa entre 8 a 24h em lume muito baixo. Se tiver panela de pressão, entre 2 a 3 horas serão suficientes. Convém no entanto ir verificando o nivel da água.

Deixe arrefecer e coe.


Como não o vou consumir todo nos próximos dias, sem correr o risco de se deteriorar, congelei em formas de silicone. Tem uma durabilidade aproximada entre 5 a 7 dias, sem perder qualidades.


Coloquei-as num saco e com data marcada. Quando estiver congelado, é só virar a forma, bater, e já está dentro do saco.




Para mim é óptimo para o fim de tarde, quando se instala um ratinho mas ainda não me apetece jantar. Ou para complementar o pequeno-almoço.

Fontes:
http://www.phoenixhelix.com/2013/02/18/healing-foods-bone-broth/
http://reversingautoimmunity.com/bone-broth-benefits/

Cookies de coco AIP, paleo (sem ovo, sem lacticínios, sem oleaginosas)


Andava há tanto tempo a querer umas bolachinhas que pudesse trincar de vez em quando. Já tinha tentado várias receitas, supostamente AIP, mas acabo sempre por deitar fora porque nunca fica capaz. Mais uma vez, tive que ir tentando e juntando e desta vez, correu bem.


Não ficam estaladiças, mas para quem tem tantas limitações de ingredientes, acho que ficaram muito bem. De sabor pelo menos, estão óptimas!

Usei os seguintes INGREDIENTES:

5 tâmaras (sem aditivos)
100 g de farinha de coco (receita aqui)
150 g de leite de coco (receita aqui)
100 g de óleo de coco
20 g de polvilho doce
1/2 ccafé de canela bio de Ceilão
1/2 ccafé de gengibre em pó bio

PREPARAÇÃO:

Para quem tem Bimby, basta juntar todos os ingredientes no copo e programar 30 segs/ vel 6.

Para quem não tem Bimby, pode fazer noutro processador, ou o copo misturador, desde que fique uma massa homogénea.

A massa fica com esta consistência.



Liga-se o forno a 180º.

Retira-se a massa e formam-se pequena bolinhas que se colocam num tapete de silicone ou papel vegetal. Ao dispor a massa sobre o tapete, espalmei com a espátula de forma a ficar com formato de bolachinhas (também deve ficar bom em forma de bolinho, mas da próxima vez, eu confirmo!)



Vão ao forno cerca de 15 minutos.




Espero que gostem!

Probióticos


O consumo de probióticos tornou-se uma prática cada vez mais comum nas rotinas de cada um. Mas afinal, o que são probióticos? O consumo de probióticos, seja como suplemento ou sob a forma de alimentos fermentados não pasteurizados, pode ajudar a regular o sistema imunológico. Uma grande quantidade de estudos científicos e clínicos avaliou os vários efeitos deste tipo de bactérias  no intestino (aquelas bactérias intestinais saudáveis) e / ou suplemento probiótico de cepas bacterianas específicas em vários aspectos do sistema imunológico. 

Principais benefícios dos probióticos:

- Facilitam o processo digestivo, ajudando a produzir enzimas essenciais para degradar os nutrientes mais complexos, aumentando a assimilação dos mesmos;
- Diminuem as diarreias, os gases intestinais e a obstipação;
- Previnem as infecções causadas por fungos, leveduras e bactérias nocivas, normalizando o PH intestinal;
- Produzem antibióticos naturais que, ao serem absorvidos pela corrente sanguínea, combatem infecções existentes em todo o corpo e não só nos intestinos;
- Diminuem a absorção do colesterol;
- Ajudam a remover vários tipos de toxinas, minimizando os seus efeitos nefastos;
- Melhoram a saúde da pele;
- Estimulam o sistema imunitário;
- Normalizam a produção de vitamina K e vitaminas do complexo B, nomeadamente a vitamina B12, no intestino.

O uso de probióticos em várias aplicações proliferou nas últimas duas décadas, já que alguns médicos acreditam que um desequilíbrio microbiano no intestino possa ser responsável por uma série de doenças. Sobretudo em distúrbios gastrointestinais, mas também pode ter um papel importante em muitas outras condições. 


Ainda não se sabe muito bem quais os mecanismos que desencadeiam os benefícios dos probióticos no nosso organismo, mas sabe-se que diferentes estirpes de bactérias desencadeiam diferentes respostas no corpo e interagem de forma diferente como o nosso sistema imunológico. Por exemplo, algumas cepas probióticas estimulam a produção de citocinas (mensageiros químicos da inflamação) que promovem o desenvolvimento de células Th1 (o que pode estimular o sistema imunológico para ajudar a combater a infecção e prevenir o cancro). Outras estirpes probióticas estimulam a produção de citoquinas que promovem o desenvolvimento de células T reguladoras, proporcionando assim toda a modulação do sistema imunológico necessária na doença auto-imune. No entanto, outras estirpes probióticas, incluindo várias cepas de lactobacilos, são benéficas em doenças de sistemas imunológicos comprometidos ou excessivamente reactivos.

Embora ainda não tenham sido aprovados pela FDA para o tratamento de doenças auto-imunes, muitos pacientes e clínicos acreditam que os suplementos probióticos podem ser úteis na mitigação dos sinais e sintomas da doença, restaurando o equilíbrio e a função dos micróbios no intestino (onde se acredita que um desequilíbrio causa ou contribui para a desordem). Isto ocorre porque a pesquisa e a experiência clínica mostraram que alguns pacientes com doença auto-imune têm ambientes intestinais significativamente alterados (especialmente aqueles com condições auto-imunes envolvendo o intestino, como doença inflamatória intestinal) e que a adição de probióticos pode realmente ajudar a reduzir ou eliminar a doença Indicadores. Na verdade, a suplementação de probióticos mostrou ser benéfica numa variedade de condições auto-imunes, incluindo: miastenia gravis auto-imune, doenças intestinais inflamatórias, artrite reumatóide, esclerose múltipla e doença da tiróide auto-imune (Hashimoto).

Embora os mecanismos definitivos sejam desconhecidos, existem várias teorias sobre como exactamente os probióticos ajudam a reduzir o impacto de condições auto-imunes. A maioria destes mecanismos envolve a transformação da flora intestinal de disfuncional a normal, o que promove uma vida mais saudável, incluindo uma redução nos distúrbios imunológicos. Esta alteração pode desempenhar um papel na doença, assim como as mudanças que ocorrem localmente dentro do intestino. E também se pensa que o equilíbrio da flora intestinal afecta certos aspectos do funcionamento neurológico. Além disso, a hipótese de higiene é uma hipótese a considerar, embora pouco conclusiva, que sugere que os seres humanos podem ter-se tornado demasiado higienizados para o seu próprio bem ao longo dos séculos, eliminando muitos alvos naturais do sistema imunológicos. Independentemente dos mecanismos, parece que os probióticos muitas vezes têm utilidade para combater os sintomas da doença, o que é, naturalmente, do ponto de vista do paciente, a parte mais importante.

Acredita-se que a suplementação de probióticos e o consumo de alimentos fermentados não pasteurizados proporcionavam benefícios para a saúde ao re-inocular o intestino com estirpes benéficas de bactérias e leveduras. Ter uma variedade e tipos mais saudáveis de microrganismos intestinais seria então responsável pelos benefícios positivos da suplementação probiótica. No entanto, pesquisas científicas recentes colocam essa explicação em dúvida - pelo menos em alguns casos. Um estudo recente sobre a síndrome do intestino irritável predominantemente de diarreia, demonstrou que a administração de suplementos probióticos não alterou a composição da microflora intestinal. Ainda assim é importante salientar que a suplementação de probióticos mesmo nestes casos, continua a ser benéfica. 

Na maior parte das situações, os suplementos probióticos têm efeitos profundos na microflora intestinal. Por exemplo, estudos mostraram diferenças na composição da microflora intestinal após a administração de antibióticos em pessoas que suplementaram com probióticos em comparação com aqueles que não o fizeram. Também pode haver efeitos mais incisivos sobre aqueles com sobrecrescências bacterianas. Os microorganismos probióticos têm a capacidade de afectar a microflora intestinal através de uma variedade de mecanismos, incluindo: reduzir a acidez no lúmen intestinal (a área no meio do "tubo" que forma o intestino), competição por nutrientes, secreção de compostos anti-microbianos pelos próprios probióticos, estimulando a produção de compostos anti-microbianos pelas células e evitando a adesão e a interação de outras bactérias com células epiteliais intestinais. Desta forma, os probióticos podem ajudar a "corrigir" a disbiose intestinal.

O que comemos, tem um efeito profundo nos tipos, quantidades relativas e localização de diferentes bactérias que crescem no intestino - esse efeito é independente dos benefícios de consumir alimentos fermentados ou tomar suplementos probióticos. No entanto, o consumo de probióticos tem o grande potencial para acelerar a cura e modular o sistema imunológico e não deve ser subestimado na gestão de doenças auto-imunes.

Então, quais são as boas fontes de alimento dos probióticos?

- Chucrute cru não pasteurizado
- Vegetais lactofermentados crus não pasteurizados (kimchi, beterrabas, cenouras, pickles)
- Frutos lactofermentados crus não pasteurizados (papaia verde, chutneys)
- Condimentos lactofermentados crus não pasteurizados (ervas e temperos)
- Kefir de água
- Kefir de leite cultivado em leite de coco
- Kombucha
Mais sobre os vários tipos de probióticos aqui

Algumas formas de probióticos devem ser consumidas todos os dias. Normalmente, entende-se que uma pequena quantidade várias vezes por dia é mais benéfica do que uma grande quantidade numa única toma. Quando começar a consumir alimentos probióticos, comece por consumir quantidade muito pequena (apenas 1 colher de chá) e observe como se sente. Algumas pessoas com disbiose intestinal grave podem ter sintomas gastrointestinais mais agudos provocados pelos probióticos. Se vir que não se dá bem com um tipo de probiótico, tente outro. Se mesmo assim, não sentir melhoras com nenhum tipo de probiótico, talvez seja boa ideia dar um pouco mais de tempo ao seu intestino para se regenerar antes de voltar a tentar.

Fontes: 
http://www.autoimmunemom.com/diet/probiotics-gut-bacteria-autoimmune.html
https://www.intechopen.com/books/probiotics/probiotics-applications-in-autoimmune-diseases
http://jn.nutrition.org/content/137/3/798S.full
https://www.thepaleomom.com/the-benefits-of-probiotics-teaser-excerpt-from-the-paleo-approach/
https://www.enetural.com/pt/artigos/aparelho-digestivo-e-flora-intestinal/probioticos-os-melhores-amigos-do-intestino_349art/

18 de junho de 2017

Sopa fria de pepino e coentros

Em dias de calor, o que sabe bem? Uma sopa fria pois claro...e esta é muito simples de fazer e fica super fresca.

INGREDIENTES: 
(só para 1 refeição para uma pessoa)

100 g de pepino descascado
50 g de leite de coco caseiro (receita aqui)
50 g de água gelada
3 folhas de menta fresca
Folhas de coentros a gosto
Sal e alho em pó a gosto

PREPARAÇÃO:

Para quem tem Bimby, é só colocar tudo no copo e programar 1 min/ vel. 3-5-7.

Para quem não tem Bimby, pode fazer o mesmo com a varinha da sopa até ficar um creme homogéneo.

Nota: como tinha feito leite de coco nesta manhã, não estava ainda muito fresco, juntei umas pedras de gelo e dei uns toques de turbo. Ficou uma sopa granizada 😆

16 de junho de 2017

Bacalhau à brás, versão AIP


É das comidas das quais sinto mais saudades, pois desde pequena sempre foi uma das minhas favoritas. Enquanto paleo, ainda cheguei a fazer com mandioca ou batata doce, mas agora a cumprir o protocolo, ficava difícil substituir o ovo de forma a manter a mesma textura cremosa.


Mas nada é impossível quando se tem vontade para.

Mais uma vez é bem fácil de fazer e rápido.

INGREDIENTES:

Bacalhau cozido e desfiado
1 cebola grande
Azeite q.b.
2 dentes de alho
1 folha de louro
Mandioca descascada e cortada aos palitos
Leite de coco
Curcuma em pó a gosto

PREPARAÇÃO:

Descasca-se e corta-se a cebola às rodelas.
Deita-se a cebola num tacho anti-aderente e vai a lume com um fio de azeite, o alho picado e as folhas de louro.
Quando a cebola estiver loirinha, junta-se o bacalhau e vai-se mexendo.

Entretanto, numa frigideira anti-aderente e com um fio de azeite no fundo, frita-se a mandioca aos palitos. Tem de ser em lume baixo, senão queima por fora e fica crua por dentro.
Depois da mandioca frita, junta-se ao preparado com o bacalhau e a cebola e mexe-se de forma a ficar tudo uniforme.
À parte, numa taça mistura-se um pouco de leite de coco (hoje usei de compra para ser mais espesso) com curcuma em pó.
Depois de bem misturado, junta-se ao preparado anterior e mexe-se com cuidado para envolver tudo.

Observação -  Não coloquei quantidades porque fiz só para mim para uma refeição e não pesi nem medi nada. Eu (sou suspeita, eu sei) adorei! 😆

Pectina caseira

Quem tem por hábito fazer compotas, sabe que há frutas que ficam com maior consistência do que outras. Quando fazemos compotas de morango, kiwi ou ananás, não se consegue que fique com a mesma textura que outras frutas. E como também não uso açúcar para conservar as compotas, também têm tendência a ficar mais líquidas. 

Nestes casos eu usava pectina. Mas depois de aderir à paleo, acabei por deitar fora a que tinha cá porque estava carregadinha de aditivos e -oses. E lembrava-me de há anos ter ouvido falar em pectina caseira. Fui à procura de receitas e encontrei...e fiz!

É muito simples de fazer, só com a parte branca da casca da laranja. Como ainda demora algum tempo a arranjar quantidade suficiente, fui congelando até ter os 100 g.

Para quem nunca ouviu falar em pectina, deixo aqui uma pequena explicação:

"A pectina é um tipo de fibra solúvel encontrada nas frutas e vegetais, sendo um componente natural desses alimentos. Tem alta capacidade de formar um tipo de gel viscoso, característico das geleias de frutas. Entre os alimentos que apresentam maior teor de pectina estão as frutas cítricas, beterraba, maçã, tomate e batata.

Benefícios da pectina

Por ser uma fibra solúvel, a pectina não é digerida por enzimas humanas, mas tem ação benéfica para a microbiota intestinal e acaba formando uma espécie de gel no intestino, o que melhora o transito intestinal e a absorção de água. Apesar de promover pouco efeito laxativo, a pectina tem ação prebiótica, pois estimula o desenvolvimento da flora intestinal sadia. Outros benefícios dessa fibra são:

Efeito protector contra a aterosclerose por diminuir os níveis do LDL, considerado o colesterol ruim quando em excesso.
Redução do colesterol total, pois diminui a absorção do colesterol proveniente da dieta.
Diminuição da absorção de glicose da alimentação.
Impede a absorção de substâncias tóxicas pelo organismo, como metais pesados e microrganismos tóxicos, diminuindo o risco do desenvolvimento de câncer, entre outras doenças.
Auxílio na perda de peso, pois aumenta a sensação de saciedade."
https://www.natue.com.br/natuelife/o-que-e-pectina.html

Ainda não a experimentei, mas de amanhã não escapa.

Vão precisar dos seguintes INGREDIENTES:

100 g de casca branca da laranja
570 g e água
Sumo de meio limão

PREPARAÇÃO:

Coloquei a pele branca no copo da Bimby e dei uns golpes de turbo para triturar.
Com a espátula baixei o que ficou agarrado nas paredes do copo.


Juntei a água e o sumo do limão e programei 7 minutos/ temp 100º/ vel. 2.
Programei mais 20 minutos/ temp 100º/ vel 2.

Para quem não tem Bimby, pica a parte branca da casca da laranjas com a picadora ou 1, 2, 3.
Num tacho, junte todos os ingredientes e deixe ferver cerca de 30 mintos em lume baixo e mexendo sempre.

Escorri o preparado para um passador e uma taça funda para escoar.
Quando deixou de correr, passei o preparado para um pano dentro do mesmo passador e apertei bem para deixar escorrer o resto da goma.


Deitei a goma num frasco devidamente esterilizado e fechei ainda quente.
Depois de frio,guardei no frigorífico, onde deve aguentar cerca de 4 meses.


Nota - Para cada 500g de fruta para compotas ou geleias, deve usar entre 60 a 120 ml de pectina.

Fonte: http://receitasdapatanisca.blogspot.lu/2010/04/desafio-cozinhar-com-laranja-pectina.html

14 de junho de 2017

Moranguitos

Hoje foi dia de miminho para mim. Tinha uns morangos a querer dar a volta e antes que isso acontecesse, tinha que os gastar.

Assim fiz uns Moranguitos, baseada na receita que tinha feito há tempos (ver aqui).

É simples, mas mesmo muuuito simples de fazer.

INGREDIENTES:

200 g de morangos (era os que eu tinha)
1 saqueta de gelatina neutra em pó
1 pitada de gengibre em pó
Coco ralado para envolver

PREPARAÇÃO:

Limpei os morangos e reduzi-os a puré junto com o gengibre.
Fiz na Bimby, uns segundos vel. 5.
Deixei levantar fervura programando 4 mins/ vel. 1/ temp. 100º.
Juntei a saqueta de gelatina em pó e programei uns segundos vel. 4.

Para quem não tiver Bimby, basta triturar os morangos e o gengibre em pó com a varinha mágica e levar ao lume num tachinho pequeno. 
Quando começar a ferver retira-se do lume e junta-se a gelatina em pó, mexendo sempre para não criar grumos.



Deixei arrefecer a mistura num pirex de forma a que ficasse bem espalhado. (Eu queria era que endurecesse rápido...mas isso agora não interessa nada 😆!)

Depois de bem solidificada, retirei a gelatina para um prato.


Juntei coco ralado a gosto e misturei na gelatina.


Formei bolinhas e envolvi-as no coco.


Deixei arrefecer mais um pouco no frio e estavam no ponto. 





OBS. Provei só mesmo para a foto!

12 de junho de 2017

Empadas Paleo, AIP


Desde que fiz os rissóis (veja aqui), que fiquei a pensar em empadas. Antes da minha vida paleo, não era nada de salgados, era muito mais de doces (e ainda sou, mas num dá, num dá). Mas agora, e para fugir ao tradicional prato com carne e legumes ou peixe e legumes, de vez em quando apetece outra coisa...e outra coisa pode bem ser uma empadinha!


Assim, a receita é a mesma dos rissóis é assim:

INGREDIENTES PARA A MASSA:

250 g de batata doce cozida (eu costumo cozer no microondas, enrolada em papel de cozinha durante cerca de 5 mins, mas como estas eram grandes, programei 7 mins)
30 g de azeite extra-virgem
50 g de polvilho doce
130 g de farinha de mandioca
1 c. café de Flor de sal
Temperos a gosto (usei alho em pó e orégãos)

PREPARAÇÃO DA MASSA:

Descascar a batata cozida e colocá-la no copo da Bimby.
Juntar os restantes ingredientes, deixando um pouco da farinha de mandioca de parte e triturar 20 segs/ vel 5. Dependendo da qualidade da batata, pode não ser necessária a quantidade da farinha indicada.
Rectificar os temperos e a consistência.
Tem de ficar uma massa espessa que suporte a manipulação com o rolo da massa.
Se estiver muito mole, basta ir juntando mais farinha de mandioca.


Fiz na Bimby mas também se faz bem noutro processador ou trituradora.



INGREDIENTES DO RECHEIO:

Aproveitamento de carne já cozinhada (tinha cerca de 150 g entre frango e vaca)
1 cebola média
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite extra-virgem
Sal
1 dente de alho
200 g de molho tipo béchamel aprovado em AIP (receita aqui)

PREPARAÇÃO DO RECHEIO:

Picar a carne e reservar.
Descascar e picar a cebola e a cenoura.
Juntar o azeite e deixar refogar um pouco.
Na Bimby triturei 5 segs / vel.5 e deixei cozinhar 5 mins /vel. 1 / temp. 100º.
No tacho o processo é o mesmo.
Depois de refogado, juntar a carne e deixar cozinhar um pouco.
Juntar o molho e envolver com cuidado.




MONTAGEM DAS EMPADAS:

Untar umas formas de empadas com azeite.
Se a massa estiver com a consistência adequada para o rolo, retiram-se pequenas quantidades de massa (pouco maior do que uma noz) e distribuem-se equitativamente pelas forminhas, calcando-as com os dedos para ficar bem fina.



Mais uma vez lembro que a massa não tem elasticidade, mas manipula-se muito bem.

Com a ajuda de uma colher, distribui-se um pouco de recheio em cada empada. 
(Aqui foi a filha que ajudou)



Esta quantidade de massa deu para 12 unidades nas minhas formas.
Guardei um pouco da massa para fazer as "tampinhas" das empadas.
Com a ajuda do rolo da massa, e numa folha de papel vegetal, estiquei a massa e recortei com um copo de vidro.


Tapei-as todas com cuidado nas pontas, de forma a que a massa ficasse bem agarrada.


Entretanto liguei o forno a 180º e depois de bem quente, coloquei as empadas e deixei-as cerca de 20 minutos.
Retirei e pincelei com azeite por cima e nas pontas para unir algumas que tenham ficado mais arrebitadas.

Deixei arrefecer bem, com uma faca pontiaguda, soltei as beiras das formas e virei-as sobre uma rede.
Saíram direitinhas.




Cozinhei-as todas, porque tal como aconteceu com os rissóis, congelei os excedentes para dias em que não tinha nada preparado e ficaram muito bons na mesma.

São servidos?



OBS. Apesar da filha não seguir AIP e muito menos paleo, foi ela que quis fazer a receita toda para me ajudar e calhou tudo bem à primeira sem ser necessário rectificar temperos.

Molho AIP (tipo béchamel)


Por um lado parece uma coisa muito simples de fazer, mas por outro podem também dizer que este tipo de molho não é imprescindível para se comer naturalmente. É verdade, mas depois de 2 meses (neste caso mais de 60 dias) com tanta restrição alimentar, acreditem que apetece variar da rotina.


E porque desta vez eu queria fazer umas empadas, faltava-me um elemento de ligação para o recheio. E aqui está ele. Fácil e bem simples de fazer.

Vão precisar de:

INGREDIENTES:


1 courgette média descascada

2 dentes de alho
Sal e azeite q.b.
1 colher de sopa bem cheia de polvilho doce



PREPARAÇÃO:

Eu cozi a courgette a vapor na Bimby porque a courgette larga muita água e queria aproveitar a polpa ao máximo.
Deitei cerca de 600 g de água no copo e deitei uma colher de chá de sal. Coloquei a courgette e os dentes de alho no cesto dentro do copo.
Programei 20 mins/ vel. 1/ temp. Varoma.
Acabando o tempo, escorri a água, e voltei a colocar a courgette com os alhos, um fio de azeite e o polvilho doce.
Triturei uns segundos na vel.5.
Depois coloquei a borboleta e bati cerca de 1 min/ vel. 4.

A consistência fica ao vosso gosto. Aqui ficou como na primeira foto. Se quiserem mais espesso, basta juntar um pouco mais de polvilho e bater.







8 de junho de 2017

A mulher responsável pelo protocolo paleo auto-imune


Sarah Ballantyne, médica, (conhecida como The Paleo Mom) é a blogueira que está por trás do premiado blog www.thepaleomom.com, é co-autora do melhor podcast The Paleo View, e dos livros "The Paleo Approach", "The Paleo Approach Cookbook", e "The Healing Kitchen".


Sarah tem muitos interesses e talentos, o que se reflecte na diversidade do blog. Lá encontrará explicações sobre a dieta e estilo de vida paleo cientificamente comprovados, juntamente com as mudanças de sucesso em pessoas com doença auto-imune, artigos relacionados à implementação prática de uma dieta e estilo de vida paleo, informação útil para famílias paleo e crianças, e receitas que abrangem todo o tipo de alimentos, refeições rápidas e fáceis, pratos gourmet, refeições para ocasiões especiais, lanches e assados compatíveis com o protocolo auto-imune para aqueles que sofrem de doenças auto-imunes (como Sarah).

Sarah iniciou sua carreira académica em física, fazendo um bacharelado com distinção pela Universidade de Victoria, Canadá, em 1999. A sua tese teve como tema, a radioterapia no cancro de próstata. Sarah obteve seu diploma de doutoramento em biofísica médica na Universidade de Western Ontario em 2003, aos 26 anos. A sua tese de doutoramento intitulava-se "Lesão progressiva do fígado durante a síndrome de resposta inflamatória sistémica: heme oxigenase como alvo terapêutico". A sua pesquisa de doutoramento abrangeu inflamação, imunidade inata, enzimas anti-inflamatórias e antioxidantes endógenas, técnicas de terapia genética, microcirculação e biologia vascular, saúde hepática e medicamentos para cuidados intensivos.

Passou os quatro anos seguintes em pesquisas como assistente pós-doutorado no departamento de Cardiologia do Hospital St. Michael em Toronto, Canadá e depois no Departamento de Biologia Celular da Universidade do Arizona. Em Toronto, Sarah continuou a sua pesquisa no campo da imunidade inata, inflamação, biologia vascular, terapia de cuidados intensivos e terapia genética, com um novo foco na Síndrome de Distúrbio Respiratório Agudo e o papel dos factores de crescimento angiogénicos no controle da inflamação e do sistema imunitário. Em Tucson, Sarah mudou de rumo e estudou biologia de células epiteliais com foco particular nas proteínas necessárias para a manutenção da polaridade de células epiteliais e caracterização de um novo supressor de tumor. O foco de Sarah incluiu o tráfego celular (como as células que transportam proteínas de uma parte para a outra de forma direccionada) e a biologia do cancro.

Ao longo da sua carreira académica, Sarah ganhou uma variedade de prémios, incluindo: prémios de excelência em pesquisa, incluindo a American Physiological Society (3 anos seguidos) e o Instituto Canadense de pesquisa em saúde / BioContact Quebec (1º lugar); muitas bolsas de estudo, incluindo o National Science and Engineering Research Council of Canada (CRSNG), a Fundação Canadense dos Cardiopatias (HSF), a Pfizer Canada (através da parceria do HSF) e a Iniciativa de Treinamento Estratégico dos Institutos de Saúde dos EUA (IRSC) Pesquisa de Saúde Cardiovascular (TACTICS); E uma bolsa de pesquisa através do Programa Especializado em Pesquisas Gastrointestinais da Universidade do Arizona Cancer Center (GI-SPORE, um programa de concessão do Instituto Nacional de Saúde). Apesar da carreira académica relativamente curta de Sarah, ela registou uma patente (nos EUA e no Canadá) e publicou 14 artigos em revistas científicas revisadas por pares (incluindo 7 primeiros artigos de autores e 12 dos quais podem ser vistos aqui), vários dos quais ainda hoje continuam a ser altamente recomendados, e 25 resumos apresentados em conferências internacionais.


Verão de 2005 - pesava mais de 120 kgs
Embora Sarah desfrutasse de uma carreira académica de sucesso, optou por se tornar uma mãe de família após o nascimento da sua primeira filha. A decisão de Sarah de cortar com a pesquisa clínica aquando do nascimento da filha deve-se ao facto de ela valorizar imenso a sua própria mãe durante a sua educação e de saber que não poderia desempenhar o papel de mãe extremosa e uma carreira académica de sucesso em simultâneo, sem que a sua saúde se ressentisse. Nesta fase, Sarah era obesa mórbida e sofria de mais de uma dúzia de doenças auto-imunes ou de co-relação auto-imune.

Depois do nascimento da sua segunda filha, Sarah descobriu o estilo de vida paleo, que teve um efeito incrível sobre a sua saúde, incluindo a perda de peso de mais de 50 kgs! Ao longo do tempo, ela atenuou e reverteu uma longa lista de sintomas e patologias, incluindo: tiróidite de Hashimoto, Fibromialgia, síndrome do intestino irritável, refluxo esofágico, enxaquecas, ansiedade, asma, alergias, psoríase, líquen plano. Na verdade, Sarah conseguiu deixar de tomar seis medicamentos prescritos, alguns dos quais tomava há 12 anos, em duas semanas de mudança de dieta. As melhorias dramáticas na qualidade de vida de Sarah convenceu-a a nunca mais voltar aos seus hábitos alimentares anteriores. E rapidamente se tornou uma defensora apaixonada e entusiasta do estilo de vida Paleo, o que levou à criação deste blog.

Sarah é apaixonada por literatura científica e pela desmistificação de conceitos científicos em explicações directas e acessíveis. Como cientista tanto por experiência como por natureza, Sarah interessa-se profundamente em entender como os alimentos que comemos, interagem com a nossa barreira intestinal, sistema imunológico e hormonas que influenciam a nossa saúde. A curiosidade inata de Sarah vai muito mais além do que apenas entender a dieta, está também profundamente interessada em factores de estilo de vida como sono, stress e actividade. Sarah acredita no verdadeiro sentido desta forma de comer e viver, comprovada pelos milhares de artigos científicos disponíveis.

Além de uma cientista de sucesso, também é uma esposa e mãe devotada. Era importante para Sarah melhorar a saúde de sua família, além de controlar as suas próprias condições de saúde. Sarah converteu com sucesso o seu marido inicialmente céptico e duas jovens filhas à dieta e estilo de vida paleo. Foi um caminho longo e tortuoso (cheio de desafios e vitórias, mas também revezes), mas a diferença na saúde da sua família também foi profunda. No seu blog, Sarah fala sobre os desafios de criar uma família paleo e viver numa família onde os membros têm necessidades alimentares diferentes uns dos outros. Na verdade, foi essa parte da jornada de Sarah e a identificação de Sarah, em primeiro lugar, como mãe que inspirou o nome deste blog.

Sarah também sempre adorou comida e adora cozinhar. Ela adora ser criativa na cozinha e encontrar formas de reinventar pratos clássicos. Cozinha principalmente para a sua família, e é por isso que verá uma diversidade dessas receitas no seu blog. Ela acredita que, mesmo alimentos simples e saudáveis podem ​​resultar em experiências e pratos surpreendentes mas que também pode haver espaço para algumas guloseimas ocasionais (depende de cada indivíduo). Sarah também gosta de desenhar, e sim, as ilustrações da figura do bastão e as ilustrações mais técnicas deste blog e dos seus livros são suas próprias criações.

As experiências pessoais de Sarah com doenças auto-imunes são o motivo da grande quantidade de conteúdo auto-imune no seu blog e a razão pela qual seus dois primeiros livros estão focados em como modificar uma dieta paleo de forma a reverter a doença auto-imune. No entanto, este não é apenas um blog auto-imune. O ThePaleoMom.com é um blog centrado na família, um blog de alimentos, um blog de "como" e "porquê", um blog de ciências. Sarah aborda a dieta Paleo de uma forma realista e com foco na sustentabilidade a longo prazo, que entende a natureza individual de cada um de nossos corpos e que diferentes escolhas de dieta funcionam melhor para diferentes pessoas. É um blog que respeita as suas escolhas e compartilha tanto as lutas como os sucessos. É um blog projectado para explicar o porquê de um estilo de vida Paleo para informar suas escolhas e dar-lhe as ferramentas necessárias para ser bem-sucedido.

Pode encontrar também a Dra. Sarah no Facebook, Twitter, Instagram e Pinterest.

Para saber mais sobre a sua própria história de transformação, veja aqui.

7 de junho de 2017

Depressão

É natural sentir-se em baixo de vez em quando, mas se essa falta de ânimo persistir dia após dia, pode estar a caminho de uma depressão. A depressão é um episódio de tristeza ou apatia junto com outros sintomas, que dura pelo menos duas semanas consecutivas e é severo o suficiente para interferir com as actividades diárias. Depressão não é sinal de fraqueza ou personalidade negativa. É um problema de saúde pública significativo e uma condição médica com tratamento. E quando já se está num quadro de doença crónica, em que muitas vezes os doentes não são entendidos pelos próprios médicos e/ou familiares, a desilusão e tristeza podem facilmente encaminhar para uma depressão.


Os principais sintomas de depressão caracterizam-se por uma tristeza constante e / ou perda de interesse na vida. Actividades que antes eram prazerosas, perdem o sentido. Os pacientes também podem ser assombrados por uma sensação de culpa ou inutilidade, falta de esperança e pensamentos recorrentes de morte ou suicídio.

A depressão também está muitas vezes ligada a sintomas físicos. Esses incluem:
- Fadiga e energia diminuída
- Insónia
- Excesso de sono
- Dores difusas persistentes, dor de cabeça, cólicas ou problemas digestivos
- Alterações no apetite ou no peso
- Dificuldade em se concentrar e tomar decisões
- Manifestar atitudes demasiado passivas ou agressivas

Qualquer um pode ficar deprimido, mas muitos especialistas acreditam que a genética desempenha um papel com algum peso. Ter um pai ou irmão com depressão aumenta o risco de desenvolver o transtorno. As mulheres são duas vezes mais propensas que os homens a ficar deprimidas.


Os médicos não tem certeza do que causa depressão, mas uma teoria proeminente é a estrutura cerebral alterada e a sua função química. Os circuitos cerebrais que regulam o humor podem funcionar de forma menos eficiente durante a depressão. Acredita-se que as drogas que tratam a depressão, melhoram a comunicação entre as células nervosas, fazendo com que elas funcionem de forma mais normal. Os especialistas também pensam que o stress - como a perda de um ente querido - possa desencadear a depressão, mas é preciso que seja biologicamente propenso a desenvolver a desordem. Outros gatilhos podem incluir certos medicamentos, álcool ou abuso de substâncias, alterações hormonais ou mesmo mudanças de estação e climatéricas.


Se o seu humor coincide com a mudança de estação - ensolarado e alegre no verão, sombrio e triste no inverno - pode ter uma forma de depressão chamada transtorno afectivo sazonal. O início do transtorno geralmente ocorre no final do outono e no início do inverno, à medida que o horário de verão diminui. Os especialistas dizem que este tipo de depressão afecta entre 3% a 20% da população, dependendo do local onde vivem. A terapia de luz mostrou ser eficaz no tratamento eficaz neste tipo de depressão. Envolve sentar-se na frente de uma caixa de luz especialmente projectada para o efeito, e que fornece luz brilhante ou fraca por uma quantidade de tempo prescrita a cada dia. A terapia de luz pode ser usada em conjunto com outros tratamentos.

Até ao momento, não há nenhum teste de laboratório para diagnosticar a depressão. Para fazer um diagnóstico preciso, os médicos confiam na descrição do paciente dos sintomas. Ser-lhe-ão feitas perguntas sobre sua história clínica e uso de medicamentos, pois estes podem contribuir para activar os sintomas de depressão. Discutir modos, comportamentos e actividades diárias pode ajudar a revelar a gravidade e o tipo de depressão. Este é um passo crítico na determinação do tratamento mais efectivo.

Estudos sugerem que diferentes tipos de terapia oral podem combater a depressão leve a moderada. A terapia comportamental cognitiva visa mudar os pensamentos e comportamentos que contribuem para a depressão. A terapia interpessoal identifica como os seus relacionamentos influenciam seu humor. A psicoterapia psicodinâmica ajuda as pessoas a entenderem como o seu comportamento e humor são afectados por problemas não resolvidos e sentimentos inconscientes. Para alguns pacientes, algumas semanas ou meses de terapia serão suficientes, mas para outros precisam de manter a terapia a longo prazo.

A pesquisa sugere que o exercício é uma arma potente contra depressão leve a moderada. A actividade física liberta endorfinas que podem ajudar a impulsionar o humor. O exercício regular também está ligado a uma maior auto-estima, melhor sono, menos stress e mais energia. Qualquer tipo de actividade moderada, pode ajudar. Escolha alguma com a qual se identifica mais e aponte para 20 a 30 minutos quatro ou cinco vezes por semana



Ter um animal de companhia também se tem revelado muito positivo na recuperação de doentes depressivos. Pesquisadores dizem que animais de estimação podem aliviar os sintomas de depressão leve a moderada em muitas pessoas. Os animais de estimação oferecem amor incondicional, aliviam a solidão e dão aos pacientes uma sensação de propósito. Estudos descobriram que os donos de animais de estimação têm menos problemas para dormir e uma melhor saúde geral.


Como a solidão anda de mãos dadas com a depressão, o desenvolvimento de uma rede de apoio social pode ser uma parte importante no tratamento. Isso pode incluir juntar-se a um grupo de suporte, encontrar uma comunidade de suporte on-line ou fazer um esforço genuíno para ver amigos e familiares com mais frequência. Mesmo juntar-se a um clube de livros ou a ter aulas na sua academia pode ajudá-lo a conectar-se com pessoas com mais regularidade.

No meio de uma depressão maior, é natural sentir-se desesperado e desamparado. Mas o facto é que esta condição é altamente tratável. Mais de 80% das pessoas melhoram com medicação, terapia oral ou uma combinação dos dois. Mesmo quando essas terapias não ajudam, existem sempre tratamentos complementares.

Sem tratamento, a turbulência física e emocional provocada pela depressão pode interferir com carreiras profissionais, passatempos e relacionamentos. Em casos graves, a depressão pode tornar-se fatal pois uma pessoa muito deprimida pode mesmo tentar o suicídio.